//FALA, CIDADÃO!// "É revoltante ver como os pacientes da saúde pública são tratados em Serra Negra", diz psicoterapeuta



O psicoterapeuta Odair Álvares , há dois anos morador de Serra Negra, decidiu relatar a saga percorrida todas as vezes que precisa recorrer aos serviços de saúde do município. “Adoro Serra Negra, adoro as flores, a alegria e a organização no município, mas é revoltante ver como as pessoas que precisam de saúde pública são tratadas”, afirmou.

Ele explicou que decidiu procurar a reportagem do Viva! Serra Negra depois de constatar que muitos pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) já viveram situações semelhantes à sua, mas preferiram não reclamar por receio de represálias ou por considerarem “normal” o atendimento precário e as dificuldades enfrentadas nos tratamentos e cirurgias. Para o psicoterapeuta, Serra Negra é uma cidade para ricos ou para quem não depende do SUS.

Entre as reclamações recorrentes, ele cita a demora para conseguir realizar consultas e exames mais complexos e principalmente a qualidade e o serviço de transporte para os municípios em que estão localizados as clínicas e os hospitais onde os serviços são ofertados aos pacientes de Serra Negra. O psicoterapeuta disse que só conseguiu ser ouvido pela Secretaria de Saúde depois de muita reclamação, esforço e até “bate-boca”, como ele mesmo define.

“Durante o percurso para chegar até o hospital, ouvia de pacientes, muitos deles senhorinhas de idade, que era um sofrimento chegar até o local de tratamento”, afirmou. 

Reclamações frequentes eram as de que as vans pegam os pacientes longe de suas casas e muitas vezes as pessoas são até maltratadas por funcionários, além da falta de manutenção de veículos. “Depois senti na pele tudo isso”, relatou.

Oda, como é conhecido na cidade pelos amigos, começou sua saga no início de 2022, quando diagnosticou uma hérnia com necessidade de cirurgia devido à dor e aos incômodos.  O psicoterapeuta disse que era comum ter de sair às 6 da manhã para uma consulta em Jundiaí às 10 horas e que ouviu até dos próprios motoristas que havia descaso com a manutenção dos veículos.

“O dia da cirurgia foi o pior de todos”, relata. Oda recebeu alta médica na parte da manhã e às 11 horas recebeu informação do serviço de transporte de pacientes de que o carro estava saindo para buscá-lo. “Chegaram às 18 horas. Além do carro ruim, vim chacoalhando e chorando ao longo do caminho”, relatou.

O psicoterapeuta fez uma crítica na página da prefeitura no Instagram, na ocasião, mas teve sua conta bloqueada. Oda fez a reclamação na semana em que o cantor Michel Teló se apresentou na cidade.

O prefeito Elmir Chedid, na ocasião, anunciou que a prefeitura iria oferecer ônibus gratuito para a população chegar até o Centro de Convenções. Oda perguntou na postagem se as condições do veículo seriam as mesmas oferecidas para levar os pacientes para consultas e cirurgias em outros municípios. “Fui bloqueado e continuo bloqueado até hoje”, afirmou. O morador disse que recorreu ao Ministério Público e à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), sem sucesso até agora.

Oda relatou ainda que problemas simples de gestão acabam comprometendo o atendimento. Entre outubro e janeiro tentou, sem sucesso, um contato com a Secretaria de Saúde por meio do número do WhatsApp disponibilizado pela administração municipal. A saída foi buscar informação na própria secretaria, onde foi informado de que o número estava sem receber chamadas por problemas no tablet da secretaria, que teria sido enviado para conserto com o chip do celular. “Ninguém pensou em tirar o chip antes de mandar para o conserto?", questionou?

A demora das ambulâncias para chegar até pacientes em situação de emergência e atendimentos de médicos nos domicílios também são reclamações que o morador ouve constantemente de outros pacientes. Oda relatou que um casal vizinho, ambos com mais de 70 anos, só conseguiu um médico domiciliar para fazer curativos no homem que usava uma sonda, depois que ele ameaçou chamar a polícia. “Alegavam falta de médico”, afirmou. 

Outro problema é a falta de transporte público na cidade. "Por aqui nem sei por onde passa o ônibus", disse o morador, que reside no Belvedere do Lago. O serviço de Uber é caro e inviável para a população de baixa renda. 

A Secretaria de Saúde chegou a marcar uma audiência há algumas semanas entre morador com o secretário de Saúde, Ricardo Minosso, que não ocorreu porque o comunicado, segundo o morador, foi enviado por e-mail e o paciente só disse ter tido conhecimento depois da data marcada. O Viva! Serra Negra vai encaminhar os questionamentos à assessoria de imprensa da prefeitura que não tem respondido aos e-mails da reportagem.

Oda disse que tem se sentido sozinho no enfrentamento para conseguir valer seus direitos de cidadão, uma vez que a maioria da população não se manifesta e sofre calada as dificuldades para acessar os serviços do SUS. 

O psicoterapeuta se disse ainda mais desanimado depois de ter sofrido uma agressão em um bar da cidade no fim de semana passado, 14 de janeiro, quando assistia, na Praça João Zelante, a um dos shows do Festival de Verão promovido pela prefeitura. Oda disse que foi agredido pelos garçons e que pode ter sido um caso de homofobia. O morador registrou Boletim de Ocorrência, dispõe de testemunhas e disse que aguarda as investigações. 



Comentários

  1. INFELIZMENTE CASOS COMO ESSE SÃO COMUNS, O PODER PÚBLICO ESTA PREOCUPADO EM DEIXAR A CIDADE BONITINHA PARA O TURISTA E SE ESQUECE DE DAR UM SERVIÇO DECENTE PARA OS MUNÍCIPES, UMA INFRAESTRUTURA MÍNIMA PARA O MORADOR DA CIDADE NÃO É PEDIR MUITO...

    ResponderExcluir
  2. É impressionante como nós, turistas, admiramos a cidade, que realmente é linda e muito bem cuidada, mas não sabemos o que os moradores, quem de fato devem usufruir do melhor, passam no seu dia-a-dia! Certíssimo o munícipe em relatar o descaso e apelar à imprensa para resolver.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu sou testemunha viva meu marido usa uma sonda gástrica fiquei na santa casa dadas 7:00 horas até meia noite para conseguir alguém que pudesse trocar a sonda. Acabamos desistindo e fomos a pucc em cinco minutos foi trocada.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários são bem-vindos. Não serão aceitos, porém, comentários anônimos. Todos serão moderados. E não serão publicados os que estimulem o preconceito de qualquer espécie, ofendam, injuriem ou difamem quem quer que seja, contenham acusações improcedentes, preguem o ódio ou a violência.